O Oriente de Deus

A importância do Oriente como ponto principal de orientação pode estar relacionada com a saída do sol e sua importância cultural no Médio Oriente da antigüidade. Na Bíblia, seu simbolismo aparece por primeira vez no Gênesis. O Jardim do Éden se encontrava ao oriente (2.8), e sua entrada olhava para ali (3.24). Depois de pecar, Adão e Eva deixaram o jardim e foram para o oriente (3.24). Caim continuou este trajeto para o oriente (4.16), que terminou no movimento de toda a humanidade da época nessa direção (11.2-4).

Neste contexto, o leste é simbolicamente ambivalente, ou de dupla referencia como água, mar, e outros tipos na Bíblia. A localização do Éden era símbolo de segurânça. Depois do pecado, o Leste ou Oriente se transformou na direção do exílio, representando a condição humana de alienação de Deus. Era também o lugar no deserto de onde provinha o vento solano que ameaçava a vida (Sal 48.7; Ez 27.26). Para os profetas, o oriente era um símbolo do exílio babilônico e da presença salvadora de Deus. O Senhor foi até Babilônia e finalmente redimiu seu povo (Ez 10.18, 19; 11.22, 23). O oriente chegou a ser o lugar desde onde Deus interviu a favor de seu povo e lhes trouxe salvação (cf. Ap 16.12).

Quando um tipo na Bíblia é de dupla referencia, se deve ter muito cuidado em fazer a aplicação correta conforme o contexto, sem apagar seu aspecto literal e histórico. Como Gênesis é um livro eminentemente tipológico (como João no Novo Testamento), e nele foram semeadas as grandes e principais doutrinas do Novo Testamento, deve-se priorizar sua estrutura revelacional.

Oriente em Gênesis principalmente, significa:

  • Como o tipo “cidade refúgio” significando Cristo, Oriente é segurança;
  • Como tipo de segurança, como foco de resguardo numa guerra, é também alvo de ataque do inimigo;
  • Como lugar de salvação ou resgate, Oriente é simultaneamente a verdadeira salvação e a falsa.

Na primeira cidade refúgio que existiu, o Éden, havia três elementos de segurança como três portas de ferro com cadeados de máxima segurança: 1) a Arvore da Vida para alimentação; 2) a Mulher para a necessária restrição ou moderação do poderoso e quase infinito Livre Arbítrio no homem, e; 3) uma Missão, a de gerar e cuidar da vida na Terra.

Uma vez o primeiro casal caído da presença de Deus, o Diabo não desistiria de interferir na Obra de Deus de prosseguir no desenrolar de Seu Plano Eterno. Então, ele lança o seu plano de oposição a Deus imitando e falsificando tudo, e agora, depois de Eva o sujeito humano que ele usa é Caim.

Caim não fora sentenciado a ficar fora da presença de Deus, mas foi isso que ele entendeu. Perscrutando ainda mais neste patético relato em Gênesis vemos que no capítulo 3 Deus sentenciou e executou na mesma hora. Ele não deu a Caim um tempo para que se arrependesse. Isto descreve claramente a superioridade da soberania de Deus por sobre o livre arbítrio colocado por Ele no ser humano. Daí que a atitude correta do pecador é a de Abel, a de se prostrar diante Deus aceitando o Cordeiro.

Mas Caim continua não aceitando a soberania de Deus, e o Seu decreto, e no momento em que devia ter reagido a 4. 7 declarando-se como Abel incapaz de vencer o Mal por si mesmo, se encaminhou para o Oriente buscando salvação e segurança por conta própria, seguindo nos três tipos, a vida, a mulher e a terra, porém sem a realidade de Deus.

A sentença divina foi executada na mesma hora como mensagem de que 1) a mulher seria historicamente escravizada pela reação da natureza e o homem caído; 2) o homem se converteria em escravo de si mesmo, de suas próprias forças e capacidades, incluído o livre arbítrio, e 3) o Diabo não pararia de molestar a raça humana no argumento de “a mulher”, prejudicando o Corpo de Cristo no seu calcanhar, mas terminando por ser completamente esmagado por Cristo que redimiria primeiro à mulher e também aos homens e mulheres do mundo todo.

O projeto “Jardim do Oriente” está sendo restaurado, e o grande falsificador, enganador e inimigo desarticulado definitivamente. Em Cristo a mulher volta a se parar frente ao homem cara a cara, a vida aparece na fusão deles, e Missão se retoma até a consumação Obra Eterna de Deus com os Seus crentes.

Autor: Apóstolo Tito Berry

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *