Igual que a maioria

Somos diferentes? Queremos ser?

  1. Somos diferentes? Queremos ser diferentes? Ou, nos sentimos guardiões da Tradição?
  2. Ainda pisamos chão, mas aspiramos morar no céu. Igual que a maioria…
  3. Defendemos Direito e esquivamos Deveres. Igual que a maioria…
  4. Cremos em Deus, mas nos custa aceitar que Ele está em Jesus Cristo suficientemente, e então mantemos uma devoção de Cristo mais o sábado; Cristo mais o Calvinismo; Cristo mais o Arminianismo; Cristo mais Maria; Cristo mais “minha igreja”, “meu pastor”; Cristo mais uma doutrina predileta; Cristo mais Eu, ou mais, mais e mais. Igual que a maioria…
  5. Quando doamos, socorremos ou ajudamos, só o fazemos se nos recompensam com elogios, promoção, alguma vantagem, uma distinção. Igual que a maioria…
  6. Fazemos de tudo por saber dos demais e de esconder o que somos, temos, pensamos e buscamos, e só exibimos o que nos convém, quando nos convém e diante de quem nos convém. Igual que a maioria…
  7. Buscamos que nos ouçam quando falamos de nós, e de nossos problemas, mas não aceitamos que qualquer outro nos ajude. Igual que a maioria…
  8. Não temos interesse em escutar aos demais, nem muito menos de compreender às pessoas. Buscamos vantagens. Igual que a maioria…
  9. Quando nos solicitam uma mão de obra profissional, só a damos em tanto e em quanto a gente for quem lidera, e não um ajudante mais num projeto alheio. Igual que a maioria.
  10. Temos muitas ideias, projetos e bons sentimentos, mas não somos capazes de apoiar a ideia o projeto e os bons sentimentos de outro. Igual que a maioria…
  11. Projetos que pisem o chão trabalhem com o chão e sejam para aqui e agora, consideramos merecedores de nossa adesão, mas quando nos falam da eternidade futura, nos parece de alto risco apoiar e vestir a camiseta pela causa, porque não nos é própria, senão alheia. Igual que a maioria…
  12. O homem ainda encontra demasiadas razões para ser a cabeça da esposa também para todos lá fora, e em todo espaço possível. Igual que a maioria…
  13. A mulher empoderada desconhece limites, e quando não é ela que edifica, não deixa mais ninguém edificar; muito menos a outra mulher. Igual que a maioria…
  14. Quem tem busca ter mais. Igual que a maioria…
  15. Quem tem mais, acumula sentindo-se numa missão divina por administrar, e desconhece que a administração divina nunca eleva ao humano senão que o coloca aos pés dos mais necessitados. Assim, em vez de guardar e segurar para a gente ser quem administra acumulando, cometendo acepção de pessoas e a mesquinhez que detestávamos, devíamos colocar tudo nas mãos de Jesus para convertê-lo em toalha e bacia com água, sem por isso esperar pelo céu, nem por isso mesmo nos sentir inseguros e invadidos.

Se pararmos para observar bem e refletir sobre estes mínimos itens, descobriríamos que o nosso problema não está em não possuirmos, senão em termos pouco, ou nem tanto como outros, ou porque ambicionamos muito mais, até abarrotar a nossa casa, nossos depósitos, nossos porões de coisas materiais como se nunca tivéssemos entendido que a qualquer momento o pó será o nosso lugar final, e que no céu que almejamos, nada de tudo isso precisaremos. E ainda mais, o quão estúpido fomos aqui na terra podendo amar com o que temos, pouco ou muito, e viver em paz e felicidade. Tudo vale na conquista de coisas e posições banais e circunstancias infantis, e nesse afã por sermos diferentes, e melhores, não perdoamos, o que nos fecha as portas da felicidade e se encarrega por si mesmo de fazer da vida dos demais uma desgraça.

A vida é como uma roda de moinho que carrega água para a gente, a mesma água que devolvida, outras pessoas a usam igualmente. Quem ainda não compreendeu o poder desse mecanismo, não sabe estar sujeito no seu eixo, nem ser movido pelo Espírito, o vento, e nem moer grãos para todos…

Temos que cuidar dos pobres, porque deles é o reino dos céus. Temos que cuidar dos ricos, porque é difícil que um deles entre para o reino dos céus, e quando entram, só permanecem se os ganhamos com humildade e amor…

Não suje a água de todos por alguma peça do mecanismo que se chame orgulho, vaidade, obstinação, egolatria ou ambicioso acaparamento, ou acumulação obsessiva; mas que tampouco seja por relaxe e desleixamento, quando outros nem conhecem água limpa e gratuita. Se formos iguais que a maioria, somos muito pobres!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *